Por exemplo: Marvel, DC, Liga da Justiça, ...

CRÍTICA | CALL OF JUAREZ: GUNSLINGER (2013)

Call-of-Juarez-Gunslinger-cover-box-art

Gunslinger” é um jogo de faroeste do gênero “first-person shooter” lançado em 2013 sendo o mais recente da franquia Call of Juarez, desenvolvida pela Techland e pulicada pela Ubisoft.  Embora seja o quarto da franquia, de acordo com a ordem cronológica em que se passam os jogos, este seria o terceiro, antes de “O Cartel” que se passa em 2011.

Silas Greaves é um velho ex caçador de recompensas que passa o jogo todo sentado na mesa de uma espelunca escondida em Abilene, no Texas, contando como foram 30 anos de sua vida atrás do cretino Bob Bryant que assassinou seus irmãos quando eram adolescentes e o que influenciou-o a entrar na vida de matador de aluguel, enchendo o ouvido dos curiosos com mitos e fatos de sua vida em troca de bebida. Enquanto papeia com alguns clientes do bar contando como matou lendários “fora-da-lei” como Jesse JamesButch Cassidy e Sundance Kid. O jogador tem a oportunidade de se tornar uma referência no velho oeste vivenciando através de flashbacks, as histórias contadas pelo velho beberrão. Silas dispersa suas lembranças variando a emoção de seus expectadores, Ben, Jack e o jovem Dwight.  Muitas vezes o público irá contribuir para história com diferentes versões, desafiando os exageros do velho caçador de recompensas. O próprio Silas muitas vezes revê o que conta, chegando até a voltar alguns passos e refazendo de forma diferente. E claro, todas mudanças na narrativa influenciam na ambientação do jogo e muitas vezes resultando em índios e pistoleiros aparecendo e desaparecendo na nossa frente sem mais nem menos.

Sem título 1 (2)

Jogabilidade
Embora não tenha o que reclamar do jogo, por ser passar no bom e Velho Oeste, achei que o careceu de algumas boas cavalgadas pelas montanhas e perseguições a cavalo, estilo Red Dead Redemption. O nível de dificuldade do jogo varia de acordo com a prática do jogador pois o jogo se baseia em chegar a determinados lugares e sobreviver aos inimigos que se manifestarão sempre nos mesmos lugares, não importa quantas vezes você jogue. E independente dessa limitação, não interfere na qualidade do jogo nem o torna monótono e sem graça. De novidade, temos a barra de “pressentimento”, que quando cheia permite que você desvie de balas, restaurando sua energia e dependendo das habilidades desbloqueadas, permite um contra ataque aos atiradores. Também tem a barra de concentração que destaca e retarda alvos, permitindo que você faça combos com grandes sequências de matança e duplicando os XP. Embora só possa carregar um kit limitado de três espaços de arma e um de dinamite, conforme se pega o jeito de manusear as armas, não fará muita diferença a limitação de quantas se carrega, você vai querer só uma delas. Como maior parte do jogo você precisa se manter em uma distância segura e discreta dos seus adversários, eu recomendaria o uso e melhorias do rifle, e um esforço para mantê-la com balas o suficiente, as duas pistolas também são boas para essas ocasiões. Armas como a espingarda exigirá uma certa aproximação dos adversários e como dificilmente andam sozinho, terá de ser bom no gatilho para matar 5 deles com uma espingarda de dois tiros estando próximo. Se for arriscar, saiba que pressionando R3 ele dá golpes corpo-a-corpo, boa sorte.

Sem título 1 (3)
Gráficos
O jogo muitas vezes apresenta uma certa variação de gráficos, embora seja todo em 3D, haverá vinhetas em comics utilizadas para apresentar seus adversários antes dos duelos, e uma estética visual semelhante a  Borderlands desenvolvida pela Gearbox Software (Half-Life, Brothers in Arms), com sangue jorrando e corpos voando em slow motion. Uma tecnologia chamada Cel Shading, que mistura desenhos com figuras tridimensionais. O jogo apresenta leves bugs como corpos mesclados com o cenário da cintura pra cima, uma perna saindo do chão ou um inimigo voando pelo cenário como boneco de posto depois de morto.

Arcade e Duelos
O modo arcade é quase como o história. mas com um grau mais elevado de dificuldade e com maior número de inimigos. São 10 desafios, você percorre um limite de cada cenário tendo de acumular o maior número de pontos baleando seus inimigos e em maior sequência, pois os combos influenciam na pontuação.

Os duelos complementam essa diversão. São 15 cabra macho pra você apagar, antes deles apagarem”ocê”. Com 5 vidas, você irá enfrentar os lendários nomes do modo história um após o outro.

Sem título 1 (4)

Troféus
É um jogo fácil de platinar que não exige nenhuma barbaridade do player, nem nada próximo do impossível. É tudo em cima de prática. Termine o jogo no difícil primeiro e depois jogue na dificuldade mais fácil para conseguir alguns dos troféus do modo história com mais calma, como acumular os pontos necessários para desbloquear todas as armas e habilidades ou alguns daqueles que exigem artimanhas com o inimigo para serem desbloqueadas.

Referências
“Gunslinger” é uma referência aos filmes Western das décadas de 1910 a 1960, incluindo a trilogia de sucesso de Sergio Leone, com Clint Eastwood, uma verdadeira homenagem ao Velho Oeste, só faltando boas cavalgadas e uma trilha sonora do Ennio Morricone.

Colecionáveis
Os itens secretos do jogo são chamados de “Pepitas da Verdade“. Cada um deles conta fatos sobre personagens e locais do jogo nas décadas de 1800 a 1900.

Desenvolvido para Techland, disponível para Xbox 360, PlayStation 3 e PC.